CULTURA
Poetisas de Caçador, Helga Walz e Alzira Salete Padilha se classificam para concurso nacional Poetize 2020
   
Poemas selecionados deverão compor livro

Por Contestado Notícias
01/02/2020 13h25

Helga Walz e Alzira Salete Padilha, do município de Caçador, se classificaram para o Concurso Nacional de Poesias – Poetize 2020, após etapa classificatória realizada no final de 2019.

De acordo com informação publicada no site da Prefeitura de Caçador, o objetivo do Poetize 2020 é descobrir e divulgar novos poetas brasileiros. A expectativa é que as poesias selecionadas sejam publicadas em livro, que estará disponível a partir de fevereiro de 2020.

O texto de divulgação cita um perfil de cada artista: Helga Walz tem 83 anos e utiliza-se da poesia como forma de expressar seus sentimentos. Escritora há alguns anos, ela já participou de diversos concursos nacionais. Já Alzira Salete Padilha tem 64 anos e participou de um concurso de poesias pela primeira vez. Com um dom herdado do pai, Alzira, que também gostava de escrever, iniciou as primeiras poesias no aniversário de 80 anos de Caçador.

A íntegra da nota oficial pode ser lida no site da Prefeitura de Caçador (clique aqui para ler). Abaixo, confira as poesias classificadas:

A poesia é uma flor (Helga Walz)

 

A poesia é como as flores

Na poesia tem perfumes e cores

Sem poesia não existo

Com poesia esqueço rancores

 

A poesia sempre me anima

Com poesia nado rio acima

Faço poesia desde menina

Distribuo poesia porque é minha sina

Hoje escrevo poesia

E amanhã espero poesia

Logo, rimo poesia

Gosto de quem faz poesia

Ainda, minha vida é poesia

 

Olhando para uma flor

Mentalizo poesia

Entre meio suas pétalas 

Vejo sua grande magia

 

A poesia é uma cultura  

Difícil de se alcançar

Se a poesia tem perfumes e cores

Por que então não se aproximar?

 

A poesia é maravilhosa

Ela está em todo lugar

É no hino da igreja

Na música ela também está!

 

Nostalgia (Alzira Salete Padilha)

 

Está tudo tão triste

Porque parou.

Parou de levar a produção,

Foi . . .

E não mais voltou.

E agora?

Agora é só poluição.

 

Guardo ainda na lembrança,

Seguia sempre apitando,

Para alegria das crianças,

Seu plac . . .plac. . .

Ia cantando.

 

Corriam todos na janela,

Para ver o trem passar.

A paisagem era tão bela,

Que não era para acabar.

  

Andava bem devagarinho

Seu plac. . .  plac. . .

Ele cantava. . .

Do povo ganhava carinho,

Quanta carga ele levava.

 

Hoje, hoje ficou  a saudade.

Faz parte de nossa história,

Ele foi. . .  não  voltou. . .

Mas está em nossa memória.

 

Quem viu poderá não ver mais.

Essa geração não a conhece.

O povo quer que ele volte.

Caçador merece.

   

  

Comentar comment0 comentário
menu
menu